- Continua depois da publicidade -


Sergio Moro critica tentativas de associar morte de Marielle a Bolsonaro

Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes foram executados há um ano, em 14 de março de 2018, no Rio de Janeiro

Nesta quinta-feira (14), o ministro da Justiça, Sergio Moro, criticou as tentativas da mídia e de militantes de esquerda em associar o assassinato de Marielle Franco ao presidente Jair Bolsonaro.

– Continua depois da publicidade –


Em entrevista ao jornal Valor Econômico, Moro disse acreditar na “existência de mandantes” no caso Marielle.

Na última terça-feira (12), o policial militar reformado Ronnie Lessa foi preso por suspeita de ser o executor do crime. O carro usado na ação foi dirigido pelo ex-policial Élcio Queiroz.

Contudo, durante a entrevista, o ministro da Justiça negou enfaticamente qualquer possibilidade de vínculo entre o assassinato de Marielle e Bolsonaro:

“Primeiro, não existe nenhuma relação entre o presidente e familiares com essas pessoas que cometeram esse crime. Isso sequer é cogitado, não tem nenhuma hipótese nesse sentido. Pelo contrário, o que existe é uma aspiração, tanto do governo federal, como do governo estadual para que os fatos sejam esclarecidos.”

– Continua depois da publicidade –




Veja também...